Castração

Castração

O problema da superpopulação de animais preocupa entidades de proteção animal e órgãos de saúde pública.

Diariamente, milhares de animais (cães e gatos), são apreendidos nas ruas ou levados por seus donos nos CCZs (carrocinha) de várias cidades brasileiras. A maioria é sacrificada ou distribuída em laboratórios, faculdades e hospitais, servindo como cobaia em pesquisas onde sofrem todo tipo de tortura. Muitos ficam vagando pelas ruas sem alimento e água, em condições deploráveis, com sarna e desnutridos, acabando atropelados ou vítimas de maus tratos. Em São Paulo a eutanásia está proibida, mas não se sabe até quando, pois o número de animais sem lar vem aumentando.

Milhares de cães e gatos de raça ou sem raça definida, terão este destino se as pessoas não se conscientizarem do problema.

Antes de acasalar seu animal, pense se encontrará donos conscientes e responsáveis que assumirão o animalzinho até o fim da vida.

Muitas pessoas encantam-se com filhotes e os adotam por impulso, abandonando-os depois. Outras cruzam seus animais achando que vão ter ganho fácil. Porém, os gastos com a ninhada até o desmame são grandes, e nem sempre consegue-se vender todos os filhotes.

A castração é uma medida inteligente e eficiente para reduzir o número de animais sem lar. Ela traz inúmeras vantagens para o homem e o animal.

Na fêmea a remoção do útero evita o cio e complicações futuras como tumores nas mamas, no útero, ovários e infecções uterinas (piometra).

Nos machos evita a hiperplasia da próstata e tumores de testículos.

A castração evita a fuga do animal, brigas, prenhez indesejável, doenças venéreas, e sarna contraídas no cruzamento.

Os animais tornam-se melhores guardas, não desviando sua atenção por conta de interesse no acasalamento.

Seja consciente, contribua para o controle de natalidade animal, evitando nascimento descontrolado, abandono e morte de animais.

Cläudia Kronfly